Reservas de ouro por País

Cotação Diária da Prata em €

Cotação Diária da Ouro em €

Contacte-nos

Rua de Santo André - Centro Comercial Parque da Cidade Loja L, 2º Piso 4560 - 221 Penafiel Telefone:+351 255 214 495 Email:info@elementum.pt
Telefone: +351 255 214 495 Email: info@elementum.pt

Como o Lixo Eletrónico pode ser Aproveitado para Fabricação de Joias

  • Home
  • /
  • Notícias
  • /
  • Como o Lixo Eletrónico pode ser Aproveitado para Fabricação de Joias

Como o Lixo Eletrónico pode ser Aproveitado para Fabricação de Joias



O relatório de notícias do Silver Institute de dezembro de 2021 trouxe informações sobre o aproveitamento de lixo eletrónico para fabricação de joias e nanofios de prata.


- Como o Lixo Eletrónico pode ser Aproveitado para Fabricação de Joias


Há cerca de 11 anos, a produtora de joias da Cidade do Cabo (África do Sul) Ashley Heather, queria ver se ela poderia fazer um anel de prata a partir de haletos de prata tirados de filmes fotográficos usados e raios-X. Ela fez conseguiu, mas com o crescimento das fotos digitais esta fonte acabou. Procurando um suprimento sustentável de prata usada, ela deparou-se com o lixo eletrónico, principalmente de smartphones e computadores, e começou a decompô-lo em seus componentes que poderiam ser usados para fazer joias, como prata e ouro.


Mais uma vez, ela foi bem-sucedida. “Quando me apaixonei pela arte da joalheria, sabia que precisava encontrar uma maneira de combinar isto com minha paixão de longa data pela sustentabilidade”, disse ela ao Business Insider South Africa. Heather acrescentou: “O lixo eletrónico acaba por ser o sonho de um joalheiro, porque contém ouro e prata, e também é o fluxo de lixo municipal que mais cresce no mundo”.


Decompor e separar os metais preciosos do lixo eletrónico é demorado. Os aparelhos eletrónicos descartados são encaminhados primeiramente para uma refinaria onde são separados em componentes recicláveis e não recicláveis. Em seguida, eles são triturados em pequenos pedaços e enviados para um triturador antes de serem colocados em um forno ou, para lotes menores, em um cadinho.


Em seguida, os metais são dissolvidos em ácido e depois separados por meio de um processo do tipo eletrólise. Os metais são novamente derretidos e purificados, garantindo que apenas metais preciosos de alta qualidade sejam extraídos. “Todos os componentes, dos plásticos aos componentes de metal sólido, como as brocas de alumínio, também são enviados separadamente para reciclagem”, diz Heather.


Quanta prata ela pode recuperar de um smartphone, por exemplo? Cada dispositivo é diferente, diz Heather, por isto é difícil estimar. Para cada 1 milhão de smartphones reciclados, podem ser recuperados 772 libras (350.2 Kg) de prata, 75 libras (34 Kg) de ouro, 35.274 libras (16 Kg) de cobre e 33 libras (15 Kg) de paládio, segundo a US Environmental Protection Agency.


Em seu site, Heather afirma: “Acreditamos no slow fashion, no consumo consciente, no estilo que transcende as tendências. Nossos designs contemporâneos são reduzidos a seus elementos essenciais; a simplicidade e o artesanato de qualidade tornam-se tão atemporais quanto os próprios materiais.”


Clique aqui para ver como as joias são feitas a partir de lixo eletrónico.


- Pesquisadores Indianos Desenvolvem uma Maneira de Tornar Nanofios de Prata mais Baratos e mais Rápidos


Os nanofios de prata estão a ter uso crescente em eletrónicos de consumo, aparelhos médicos, dispositivos ambientais e muito mais. Portanto, fabricá-los rapidamente, com menor custo e maior qualidade tornou-se o sonho de muitos engenheiros.


Os desenvolvedores indianos do CSIR-National Chemical Laboratory deram um passo à frente em direção a este objetivo.


Eles dizem que seu processo de fabricação em larga escala e baixo custo pode produzir 500 gramas de nanofios de prata por dia por cerca de US$ 20 por grama em comparação a US$ 250-US$ 400 por grama, dependendo do preço de mercado da prata, de acordo com o líder da pesquisa Amol A. Kulkarni.


De acordo com uma declaração do ministério de ciência e tecnologia da Índia: “O processo é uma rota de síntese simples, económica e escalável quando comparada aos protocolos de fabricação em lote existentes que geram uma grande quantidade de nanopartículas em suspensão, o que não é fácil de separar de nanofios. O processo desenvolvido foi testado nas instalações de caracterização do CSIR e está no estágio 8 do Technology Readiness Level (Nível 8 corresponde a Teste do Sistema, Lançamento e Operações, e se sobrepõe ao Estágio 9, o nível mais alto). O produto fabricado consiste em nanofios de prata com excelente condutividade, que pode ser usado na fabricação de tintas condutoras e revestimentos para tecnologias de exibição e eletrónica flexível.”


O ministério acrescenta: “O CSIR licenciou a tecnologia de processo para a Nanorbital Advanced Materials LLP (Ahmedabad, Índia) em novembro de 2020 e assinou um acordo de transferência de material com mais três indústrias em 2021. Kulkarni planeja realizar testes adicionais do nanomaterial desenvolvido em diferentes dispositivos de exibição para aplicações de condução transparente, bem como para impressão de eletrónicos flexíveis, incluindo eletrodos vestíveis”.


Um total de cinco patentes nacionais e internacionais também foram depositadas para o processo.

 


André Marques